“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

O processo da busca

Quando um homem chega ao ponto em que toda a sua vida externa desfaz-se, dissolve-se em tragédia ou calamidade, chega também ao ponto em que a busca é tudo o que lhe resta. Mas ele pode não perceber essa verdade. Ele pode perder sua oportunidade. Conscientemente ou não, ele diz a si mesmo, em certo sentido: "Sozinho, por mim mesmo, não posso suportar este destino adverso. Preciso procurar ajuda e conforto fora de mim." Ele vai então a outro homem ou a uma instituição, mas, no final, tem de ir a Deus.

Pode chegar uma hora em que o homem se canse de todos os círculos sociais, da incessante e indigna competição profissional e do mundo dos negócios, e deseje afastar-se de tudo isso - uma hora em que ele comece a ver através das futilidades, superficialidades e estupidez que lhes são próprias.

A primeira manifestação desse senso de futilidade (na vida mais profunda do coração) pode passar despercebida e ignorada. Mas voltará outras vezes, cada vez com mais freqüência, até que o estado insatisfatório de uma vida totalmente materialista, a transitoriedade de uma felicidade meramente terrena sejam reconhecidos e aceitos.

Com essa fase negativa, começa a vida interior do homem moderno. Não mais está satisfeito em ser um graveto arrastado pelo rio das circunstâncias.

É o caráter que herdou de vidas terrenas passadas que o torna suscetível aos anseios espirituais e o atrai para ensinamentos místicos desse tipo. Se mudanças nas circunstâncias ou no ambiente, novos contatos com homens vivos ou com livros impressos parecem ser responsáveis, isto é apenas porque tendências de "ação retardada" já existiam, mas precisavam dessas mudanças externas para oderem manifestar-se.. É uma tradição nos círculos místicos que todos os que sentiram alguma vez a verdade, o poder ou a beleza do ensinamento místico, mesmo que por breve momento, não são capazes de evitar serem atraídos um dia para a sua conseqüência prática, a Busca, por mais que o protelem.

Dê boas vindas à verdade em qualquer horizonte em que ela apareça, procure-a nas quatro direções, sem deixar de ir a nenhuma. Em qualquer lugar onde você encontrar a verdade, seja qual for o nome com que esteja rotulada, aceite-a. Em seus esforços por uma vida melhor, ele deve aceitar de boa vontade a ajuda que lhe vem de qualquer fonte correta.

Nenhum caminho único leva, por si só, à verdade total. Aprenda algumas das verdades básicas que cada sistema contém sem se identificar com o próprio sistema. Mantenha a mente aberta e livre para adquirir idéias e práticas valiosas de outras culturas, e evite a atitude fechada, sectária. Aceite, de todos os ensinamentos, tudo o que tenha valor para você pessoalmente, em seu atual estado mental, e descarte o resto.

Esse é o caminho eclético, melhor que o caminho mais comum, que é entrar numa prisão doutrinária única e permanecer nela. Hesite muito antes de se comprometer a ingressar nesta ou naquela organização. Lembre-se de que existem vários aspectos da verdade, e de que pode valer a pena manter-se livre para aprender alguma coisa desses outros aspectos.

Recomendo sempre aqueles que se sentem fortes o bastante para isso, que evitem entrar em alguma organização, que mantenham sua liberdade, enquanto ao mesmo tempo estudam as doutrinas de quaisquer que sejam as organizações que lhes interessem, de quaisquer que sejam as religiões que lhes chamem a atenção. Essa liberdade torna-os capazes de ter vista para todos os lugares, de estudar de tudo, de questionar corajosamente, de manter a amplitude de visão, a profundeza de pensamento. Só essa independência pode alcançar o novo sem perder o quem valor no velho; todos os outros caminhos são comprometidos, limitados, cativos.

Nenhum homem chega ao conhecimento da sua divindade por intermédio de uma multidão de outros homens. Nenhuma entidade humana pode descobrir sua própria relação com Deus por intermédio de algum método grupal. O caminho para a consciência espiritual é inteiramente individual, essencialmente solitário, inescapavelmente interior. Ou seja: é místico. À medida que a religião é bem-sucedida em mostrar o caminho, deixa de ser religião e transforma-se ou melhor, consuma-se a si mesma, no misticismo.

Um homem e um Deus são toda a organização requerida. Mais é supérfluo. O aspirante que preza seu caminho independente e pensamento individual não pode adequar-se confortavelmente a um grupo em que todos devem ser moldados da mesma forma. Ele deve aprender a pensar por si mesmo e a praticar o discernimento por si mesmo, se quiser encontrar seu caminho para a verdade.[...]

Para aqueles que realmente querem buscar a total conexão do Eu Maior, não pode ver e fazer desta busca um hobby, ou algo que seja uma distração, um passa tempo, mas sim deve ser a razão do seu viver. Se não for encarada desta forma essa busca, a pessoa simplesmente continuará vivendo no egocentrismo. Viver no egocentrismo é viver dentro de um círculo de condicionamentos ilusórios. Sair destes condicionamentos, a principio, é muito difícil, principalmente porque não conhecemos a natureza do ego, não conhecemos a natureza primordial da mente e da consciência.

O trabalho começa quando sentimos um impulso, uma intuição, uma vontade que nos faz movimentar em várias direções, uma busca de algo que nem sabemos ao certo o que é, mas que somente será verdadeira, real e progressiva quando a pessoa deixar de olhar aqui e ali, de correr de um lado para o outro e começar com muita seriedade trabalhar em si próprio. Não basta querer fugir do sofrimento, embora ao compreender a natureza primordial do ego e da mente, evitamos muitos sofrimentos, porém isso não basta é preciso nos tornarmos consciente do propósito misterioso da existência humana. O primeiro passo é dado quando começamos a deixar de nos importar com os condicionamentos, quando começamos a desapegar, e a nos entregar à satisfação de necessidades superiores e internas. Uma das mudanças externas que acontece quando a busca é verdadeira, é que começamos a encontrar tempo e energia para os estudos, para as práticas, nos esforçamos para organizar nossas rotinas de modo que encontremos tempo para nos dedicar. Não devemos começar nossa caminhada para no meio do caminho parar. A busca deve ser encarada como um compromisso da vida, nossos passos devem ser em função dela. Não é uma leitura aqui outra ali daqui uns dias, ou daqui uma semana ou algo parecido....Se estás a caminhar desta forma, estará se enganando, perdendo tempo, e vivendo sobre o controle do ego. A busca não é para os fracos, mas para os corajosos e persistentes, que caminham com fé, que atendem o chamado de sua alma, que mora em seu interior. "Muitos são chamados, mas poucos são escolhidos." (...)

Entrar nessa busca não é uma questão agradável e nem fácil. O Aspirante tem de começar com a convicção de que é uma pessoa imperfeita e de que, antes de poder entrar em esferas espirituais, deve primeiro preparar-se para essa entrada trabalhando arduamente para separar-se dessas imperfeições. Antes de começar a Busca, se ele gostava muito de si mesmo - agora descobre que, já não gosta. Antes de começar a Busca, tinha diferentes inimigos aqui e ali. - agora tem um só inimigo, que é ele mesmo. Até então apoiava o ego identificando-se com ele, de agora em diante deve negar o ego, e tentar afirmar o eu mais elevado.

Estamos tão enraizados no ego que nos habituamos com seus hábitos mentais, porém podemos corrigir através de um esforço árduo, mudando nosso hábitos e nos autodisciplinando, isso é chamado de Busca.

Alguns tem a ilusão de que o caminho é muito trilhado. Não é. Muitos são os chamados, mas poucos são os escolhidos. O viajante deve andar resignadamente em solidão parcial. A luta pela verdade certa e pela alma divina são levadas avante ... Cada um deve aprender que há somente um único caminho para si, e esse caminho depende de sua história passada e de características presentes que constituem sua individualidade. No seu recolhimento interno o ser aprende a ouvir seu eu mais elevado que irá dirigi-lo, para que a ajuda venha ao seu encontro, mas para isso ele terá que estar pronto. Essa ajuda pode vir através de um livro, uma pessoa, um lugar, etc.

Você não pode compreender o mundo melhor do que compreende a si mesmo. A Lâmpada que pode iluminar-lhe o mundo tem de ser acesa dentro de você.

Deve-se primeiro purificar o coração do egoísmo e seus instintos físicos e animalescos, e então uma atmosfera favorável estará disponível para que a verdade se lhe torne conhecida. Embora a verdade absoluta esteja presente, somente a conheceremos quando nascer , dentro de si, a consciência de que o Espirito é o seu próprio e verdadeiro eu.

O Aspirante deve ser o observador, deve entender os altos e baixos da natureza humana, dos motivos humanos e do egoísmo humano. Ele deve proceder assim porque isso irá ajudá-lo a conhecer os outros e a si mesmo, a fim de servi-los melhor e de proteger a sua Busca. Aquele que se inicia nessa Busca terá muito a fazer, pois terá de vencer sua fraqueza de seu caráter, terá de pensar imparcialmente, de meditar com regularidade e de aspirar incessantemente. Acima de tudo, terá de se treinar na disciplina da rendição do ego.

... Desde o primeiro momento em que puser os pés nesse caminho interior, até o último, quando o tiver terminado, será periodicamente assediado por testes que irão provar o material de que ele é feito. Essas provas lhes são enviadas para verificar sua coragem, para mostrar o quanto ele realmente vale, e para revelar a sua força e fraquezas verdadeiras, e não as que ele acredita ter. As dificuldades que encontra provam a qualidade de sua realização, e revelam se a sua força interior pode resistir à elas, ou as sucumbirá; os sofrimentos que experimentam podem gravar lições no seu coração, e as provações pelas quais passa podem purificá-los. A vida é, ao mesmo tempo, instrutor e juiz.

Quem deseja triunfar deve aprender a suporta.

...Pode tropeçar e cair, mas ainda é capaz de voltar a levantar-se, pode cometer erros, mas é ainda capaz de corrigi-los.

...Quando for acometido por dúvidas , como acontece com a maioria, ele deve agarra-se firmemente à esperança e renovar sua prática até que este estado de animo desapareça. É uma arte difícil, de guardar fidelidade ao seu centro sereno, mesmo que por uns minutos. Essa arte só pode ser aprendida pela prática. Todas as vezes que ele dela se desvia e entra na agitação, no egoísmo ou na ansiedade, e se dá conta do fato, deve voltar imediatamente. É uma arte que tem de ser aprendida através de esforço constante e depois de frequentes fracassos, essa de manter-se ligado aos fatos espirituais da existência. Ele deve continuara a busca com determinação ininterrupta mesmo.

....Mesmo que aprenda todas as verdades, ele só as terá apreendido intelectualmente. Elas tem de ser aplicadas no ambiente, têm de ser profundamente sentidas no coração e, finalmente, tem de ser consideradas como sendo a Consciência de onde se originaram.

....Faça disso um hábito, até que se torne uma tendência, ser bondoso, gentil, magnânimo e compassivo. O que voce pode perder? Alguma coisa de vez em quando, um poco de dinheiro,aqui e ali, uma hora ocasional, ou uma discussão?! Mas veja o que voce pode ganhar! Mais desapego do ego pessoal, mais direito à graça do Eu Superior, mais encanto no mundo interior e mais amigos no mundo exterior.

...A aspiração, apenas, não é suficiente. Ela deve ser secundada pela disciplina, pelo treinamento e pelo esforço. A disciplina do eu, a observância da conduta ética, a prática de meditação mistica, tudo isso é necessário quando se busca a experiência mais elevada que leva ao insight.

Paul Brunton em "Práticas para a Busca Espiritual , Relax e Solitude."
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill