“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

Não há revolução no "vir a ser"

A dificuldade da maioria de nós resulta de querermos sempre uma norma precisa de ação. Desejamos saber o que fazer, como devemos nos comportar, principalmente quando estamos confusos e quando o próprio objeto de nossa escolha é produto de nossa confusão. Quando escolhemos no meio de nossa confusão, o líder, a ideia, ou o sistema, nossa escolha, pode, apenas, nos conduzir a mais confusão, maiores desgraças e sofrimentos. Porque, se da minha confusão escolha uma ação, esta ação forçosamente me levará a uma confusão maior. Este é um fato óbvio a que, infelizmente, em geral, não damos atenção. Uma vez que a maioria de nós está muito empenhada em achar um método, uma norma de ação, parece-me ser muito importante, não que saibamos o que devemos fazer, mas, sim, que saibamos pensar.

A maioria de nós estamos habitualmente interessados em saber o que devemos fazer. Temos modelos, temos heróis, temos preceitos e ideais para seguir. Mas o que é importante é a maneira do nosso pensar porque, se puder haver revolução aí, então talvez seja possível se produzir uma revolução em nossa ação. Não acham, portanto, que tem muita importância descobrirmos como devemos pensar, e não o que devemos fazer? Pois no momento em que estamos condicionados por uma atividade, por um sistema de pensamento, as nossas ações se tornam mais e mais complexas, mais e mais confusas, mais e mais dificultosas, condicionadas, disciplinadas, moldadas; daí resultando, por conseguinte, mais confusão. Parece-me, pois, que o importante é sabermos pensar; e então talvez haja a possibilidade de modificarmos esse pensamento, de produzirmos uma revolução no nosso pensar, criando assim uma nova conduta de vida, uma nova forma de ação. HÁ UM ESTADO DE SER, QUE É REVOLUÇÃO; E HÁ UM ESTADO DE "VIR A SER" QUE É CONFUSÃO. A norma habitual de quase todos nós é o "vir a ser" — o tornamos a coisa mais importante; alterar nosso método de ação, ajustando-o a determinado padrão de pensamento; seguir o líder; cultivar uma virtude; passamos da avidez à não avidez; cultivar ou praticar certas maneiras de pensar. E tudo isso implica — não é verdade? — tudo isso implica num "vir a ser", no qual nunca há transformação, jamais revolução. "Vir a ser" é meramente uma forma de continuidade; nele não há revolução nenhuma, nunca é possível a transformação. Apenas num "ESTADO DE SER" são possíveis a revolução e a transformação. Ora, "O QUE VEM A SER" nunca pode compreender O SER. Quando "O QUE VEM A SER" observa O SER, não há SER.

Tenha a bondade de seguir isto literalmente. Acho muito importante se compreender isto, visto nossas mentes estarem já muito habituadas a "vir a ser", a acumular experiências para base de nossa conduta futura. Nosso pensar está baseado no conhecimento, na experiência, nos exemplos, na memória — tudo isso compreendido no padrão da continuidade. Pode se operar uma "modificação" da continuidade; jamais, porém, uma revolução, uma transformação. 

"O QUE VEM A SER" está sempre empenhado em transcender, em ultrapassar a si mesmo. Sou resultado do tempo, da memória, da experiência, da escolha constante, da diferenciação; sou a continuação do passado, no tempo. Minha mente, pelo seguir, rejeitar, aceitar, está toda encerrada no padrão, no campo do "vir a ser" — não é verdade? Sou uma coisa hoje e quero ser outra coisa amanhã. A "projeção" — amanhã — é a continuidade de hoje. É a isso que a mente está habituada, a esse estado de acumulação, da memória, não é verdade? Isto não é complicado. Observem o próprio pensar de vocês; verão que é exatamente assim. Estamos sempre empenhados em nos tornarmos algo — o escriturário que se tornar gerente, o gerente, diretor, o político quer ser o líder mais excelente, etc., etc. Há continuamente esse 'VIR A SER" ALGUMA COISA; e com ele esperamos promover uma revolução, uma transformação. Mas isso é impossível, pois aquilo que continua não pode nunca operar uma transformação em si mesmo.

Ora, bem, com essa mentalidade, com essa mente, com o processo desse pensamento, observamos O SER — o deus verdadeiro, ou o que quiserem, o qual desconhecemos. O QUE VEM A SER está especulando a respeito do SER; O QUE VEM A SER está sempre observando o SER, procurando apreendê-lo, apoderar-se dele, ajustar-se a ele. Nessas condições, quando vocês — O QUE VEM A SER, O "EU" — quer apoderar-se do SER, não há esse SER. Visto que a minha mente se habituou a pensar em termos referentes do tempo, visto minha mente ser produto do tempo, não sou capaz de pensar senão em termos de "vir a ser" ou "não vir a ser". Assim, pois, no próprio processo de "vir a ser" há conflito, e esperamos, através do conflito, chegar a um resultado. Assim é nossa vida. Queremos alcançar um resultado, um fim, e procedemos por várias maneiras para alcançá-lo — sempre por meio de esforço, de luta, de complicações, escolha, desejando tal coisa, moldando e aceitando tal coisa, etc., etc. Tal é a nossa vida, não é exato? O "que vem a ser", pois, está sempre tentando seguir uma linha de ação — o culto do herói, o cultivo da virtude, etc. está sempre tentando aprender o estado que é O SER, o único estado em que é possível a revolução. É importante, assim me parece, compreendermos que, no "vir a ser" não pode haver alteração, transformação radical. Que devemos fazer então? Estão seguindo?

Desejo lhes comunicar uma coisa e tenho de empregar palavras. Traduzirão estas palavras de acordo com o condicionamento de vocês e, desse modo, se interrompe a comunicação entre nós. Desejo lhes comunicar uma coisa muito simples, que é: não há felicidade, não há transformação, não há revolução no "vir a ser"; só no ser existe a possibilidade de transformação, não há revolução no "vir a ser"; só no ser existe a possibilidade de transformação fundamental e radical. Mas o que vem a ser nunca pode compreender o ser. Quando aquele que "vem a ser" observa o ser, o ser se torna estático, imóvel. Vemos, pois, que o que a mente escolhe está sempre compreendido nesse vir a ser, no desejar alguma coisa. Percebem o problema? 

Como posso eu, que fui condicionado, (minha educação, minha criação, minha religião, todos os meus esforços, são para vir a ser) como posso sustar o vir a ser? Não sei se já refletiram sobre este problema; agora, porém, que estou falando, como o veem? O que sentem na presença dele? Todos os nossos compêndios, todas as nossas religiões, todos os nossos gurus, todo o processo do pensamento, tudo isso está em relação com o vir a ser alguma coisa — temos de ser primeiro regionalistas, depois nacionalistas, depois cosmopolitas; primeiro são crianças, depois homem maduro, e, por fim, morrem; precisam passar por esse processo evolutivo, para alcançarem a realidade suprema. Nossa mente está condicionada na maneira de pensar que o mundo pode ser transformado gradualmente, que não é possível criar-se instantaneamente um estado revolucionário; que isso tem de vir através de um "processo gradativo" de tempo; que todos devemos ser dedicados; que todos devemos ser educados de uma certa maneira; pensar numa certa maneira de ação, etc. Conhecemos muito bem esse processo de pensar. Devo lhes dizer que por esse caminho não há revolução, não há alteração, nenhuma possibilidade de transformação. E, no entanto, a transformação é essencial para que se possa produzir um mundo diferente. 

Encontram mendigos famintos na estrada, criancinhas ao relento. A criancinha precisa de carinhos, de alimento, de amor, e precisa da liberdade verdadeira e da educação que a faça sem medo. Ora, é possível se transformar o mundo imediatamente, e não daqui a alguns séculos? Este problema também não lhes interessa? Há crianças com fome, e nós inventamos uma teoria socialista, uma teoria comunista, a qual, no fim, dará alimento às criancinhas; e, enquanto isso, as crianças vão morrendo de fome. E durante a edificação do sistema surge um sem número de complicações, destruições, desgraças, extermínio, campos de concentração — e tudo isso representa o processo de "vir a ser", não é verdade? 

Deve, portanto, haver uma solução diferente para este problema. Pode a minha mente, que tão condicionada está no "vir a ser", imobilizar-se e tornar-se capaz de receber aquele ser que não pode ser observado, não pode ser compreendido por aquele que vem a ser? Como posso eu, produto do tempo, da memória, que estou sempre "vindo a ser" alguma coisa, sempre a aceitar ou a recusar algo, positiva ou negativamente, como posso produzir em mim mesmo uma fundamental revolução de valores, de pensamentos, de desejos, de todas as coisas, radicalmente, para que possa haver felicidade, não só em mim, mas também nas minhas relações com o mundo, com os meus semelhantes? Este problema não interessa também a vocês? E se ele é tanto seus como meu, de que maneira agimos? Agimos em relação com o vir a ser ou em relação com o ser? Não há ser, se há vir a ser

Como já disse anteriormente, tenham a bondade de escutar. É muito importante escutar, para se compreender uma coisa que é verdadeira, porque esse próprio escutar do que é verdadeiro tem um efeito extraordinário na mente. Se sei escutar, se sou capaz de ver a beleza, sem interpretação, essa beleza tem sobre mim um efeito extraordinário. Se sou suficientemente sensível, tanto para ver a beleza como para a fealdade da vida, as ver sem interpretar, as ver simplesmente, isso tem um efeito extraordinário. De modo idêntico, se sei escutar uma coisa que é verdadeira, justa, sem traduzi-la e sem compará-la com o que já foi dito por algum instrutor, pelo Bhagavad-Gita ou por algum livro; se sei escutar sem tradução, esse escutar, então, essa receptividade à Verdade, tem um efeito extraordinário. Uma revolução inconsciente se está processando, quando sabemos escutar. 

Escute pois isto: só pode haver revolução quando há ser, do qual pode resultar a ação verdadeira. Enquanto, porém, a mente se encontra aprisionada no perene processo do vir a ser, não pode haver revolução, nem transformação, e não pode haver amor; apenas infelicidade, mais ódios, e maiores guerras. Que deve, pois, a mente fazer? Ela não pode passar ao outro estado. A mente que é, em si, o processo de vir a ser, não pode passar para o outro estado e assimilá-lo; ela não pode tornar-se o ser. Não pode buscar o ser. No momento em que ela está consciente do ser, está morto o ser. já não é o ser uma coisa vital, já não exulta, já não vive, já não age construtivamente. Que deve então fazer a mente, reconhecendo a sua impossibilidade de promover uma revolução em si mesma? Só escutem, não respondam a esta pergunta. Escutem

É necessária ação; as guerras precisam acabar, e não deve haver mais miséria. Reconhecemos, é essencial que haja uma revolução, uma revolução fundamental, ampla, e não uma revolução parcial, limitada. Se faz necessária uma revolução total. Pela investigação, se percebe que a mente não pode operar uma tal revolução. O comunista, o socialista, ou a pessoa dita religiosa não pode realizar uma revolução que seja total; podem operar reformas parciais, mudanças parciais; tudo, porém, será apenas continuidade modificada. É necessária uma revolução total, para criarmos um mundo diferente, um mundo, não seus, não meu, mas que seja de todos nós, juntos; e só se pode verificar está revolução quando há ser e não vir a ser. Assim, pois, todo e qualquer esforço que fizerem para revolucionar o ser, constitui justamente uma negação da revolução. Isto é, se faço um esforço para compreender aquele "estado de ser", em que há revolução radical, o ser se torna um estado morto. Assim, quando minha mente compreende essa coisa, inteiramente, ela, a mente, se torna muito tranquila; não faz, então, mais esforço para ser ou não ser, sigam bem isso, por favor. A mente se torna tranquila, e se compreende então, na sua totalidade, o processo do vir a ser

A mente não pode chamar a si o ser. O ser apenas pode se manifestar quando a mente está de todo tranquila, quando não persegue alguma coisa, quando não busca um resultado, quando não quer tornar-se virtuosa. Porque, o "eu" é vir a ser, o "eu" é o que vem a ser; e enquanto existir o "eu" não pode haver o ser. O "eu" pode colocar vestes diferentes, de cores diversas, e pensar que está se modificando, que está produzindo revolução; mas, no centro, continua presente o "eu", e ele não pode se extinguir por meio de disciplina, de controle, de sacrifício, da observância de exemplos. O "eu" existe em virtude do próprio esforço que faz, para ser ou não ser. Continuem escutando. 

Toda vez que a mente faz um esforço, esse próprio esforço vai reforçar o "eu" — o "eu" que se identifica com o Estado, com o partido, com a religião, com qualquer coisa, enfim. Por conseguinte, não há, através desse processo, nenhuma revolução, não há transformação; há tão-somente mais desgraças, mais confusão, mais guerras, mais ódios. Quando reconheço isso, quando minha mente reconhece isso, há então tranquilidade; há aquele silencio tão essencial ao ser; e, então, há uma possibilidade de radical revolução. 

Jiddu Krishnamurti em, Autosabedoria - Base da Sabedoria
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill