“Não se pode falar do oceano para um sapo do brejo — criatura de uma esfera mais acanhada. Não se pode falar de um estado isento de pensamento para um pedagogo; sua visão é demasiado restrita”. — Chuang Tzu

Sem escuta não há visão intuitiva

K: Nós estamos falando a respeito da visão intuitiva, ou seja, que a visão intuitiva não tem tempo. A visão intuitiva não é o produto do tempo, sendo o tempo a memória, etc. Existe então a visão intuitiva; essa visão intuitiva, por estar livre do tempo, atua sobre a memória, age sobre o pensamento. Ou seja, a visão intuitiva torna o pensamento racional, mas não o pensamento que está baseado na memória. Então, que diabo é esse pensamento?

Não. Espere um minuto. Não creio absolutamente que o pensamento apareça. Dissemos que a visão intuitiva passa a existir quando não existe o tempo. O pensamento — que está baseado na memória, na experiência e no conhecimento — é o movimento do tempo no aspecto da transformação. Estamos nos referindo ao tempo psicológico e não ao tempo cronológico. Estamos dizendo que ficar livre do tempo implica a visão intuitiva. A visão intuitiva, por estar livre do tempo, não possui pensamento.

DB: Dissemos que ela poderá usar o pensamento.

K: Espere, não tenho certeza. Vá devagar. Ela poderá usar o pensamento para dar explicações, mas ela age. Antes, a ação estava baseada no pensamento. Agora, quando existe visão intuitiva, há somente ação. Por que queremos o pensamento? Porque a visão intuitiva é racional, a ação é racional. A ação se torna irracional quando ela está atuando a partir do pensamento. Portanto, a visão intuitiva não usa o pensamento.

DB: Bem, temos que tornar isso claro porque numa certa área a visão intuitiva tem que usar o pensamento... Se, por exemplo, você quisesse construir alguma coisa, usaria o pensamento referente à sua execução que está disponível.

K: Isso, porém, não é visão intuitiva.

DB: Mas mesmo assim, talvez você tenha que ter visão intuitiva nessa área.

K: Uma visão intuitiva parcial. Os cientistas, os pintores, os arquitetos, os médicos, os artistas e outros têm uma visão intuitiva parcial. Estamos falando, porém, de "X" e de "Y", que estão procurando a base; estão se tornando racionais, e estamos dizendo que a visão intuitiva não possui tempo, e portanto não possui pensamentos, e essa visão intuitiva é ação. Como essa visão intuitiva é racional, a ação é racional. Desculpe-me, não estou fazendo de mim um exemplo; estou falando com toda humildade. Aquele menino, aquele rapaz dissolveu em 1929 a Ordem da Estrela. Não houve pensamento. As pessoas disseram: "Faça isso", "Não faça aquilo", "Mantenha-a", "Não a mantenha". Ele teve uma visão intuitiva; dissolveu-a. Acabou! Por que precisamos do pensamento?

DB: Mas depois você usou algum pensamento, quando dissolveu a Ordem, para dizer quando fazê-lo e como fazê-lo.

K: Essa palavra é usada por mera conveniência, para a comunicação com outras pessoas.

DB: Ainda assim, foi necessário algum pensamento. 

K: A decisão age.

DB: Não estava me referindo à decisão. A ação original não exigiu o pensamento; somente a que veio depois.

K: Isso não é nada. É como levar uma almofada daqui para ali.

DB: Sim, eu entendo. A fonte original de ação então não envolve o pensamento.

K: Isso é tudo que eu queria dizer.

DB: Mas de certo modo ela se infiltra no ...

K: ... é como uma onda.

I: Todos os pensamentos não passam por uma transformação nesse processo?

K: Sim, naturalmente. Como a visão intuitiva não possui tempo, conseqüentemente o próprio cérebro passou por uma mudança.

DB: Sim, mas poderíamos falar sobre o que você quer dizer com isso?

K: Isso quer dizer que todas as respostas humanas devem ser percebidas pela visão intuitiva ou devem penetrá-la? Eu lhe direi o que quero dizer com isso. Sou ciumento. Existe uma visão intuitiva que cobrirá todo o campo do ciúme e desse modo acabará com ele? Que acabará com a inveja, a ganância, e com tudo que está envolvido no ciúme? Entende? As pessoas irracionais caminham passo a passo — livram-se do ciúme, livram-se do apego, livram-se da raiva, livram-se disso, daquilo, e daquilo outro, o que representa um processo constante de transformação — certo? Mas a visão intuitiva, que é totalmente racional, extermina tudo isso.

DB: Exatamente.

K: Isso é um fato? Um fato, no sentido de que "X" e "Y" nunca mais serão ciumentos; nunca!

DB: Temos de discutir isso, porque não está claro como você poderia garanti-lo.

K: Oh, sim, eu o garantirei com certeza!

DB: Se isso puder alcançar aqueles que são capazes de escutar...

K: O que significa que para encontrarmos a base, a primeira coisa que temos de fazer é escutar.

DB: Entenda, os cientistas nem sempre podem escutar. Até Einstein e Bohr não foram capazes, num certo ponto, de escutarem um ao outro. Cada um estava apegado à sua visão particular.

K: Eles colocaram sua irracionalidade em funcionamento.

8 de abril de 1980, Ojai, Califórnia
Krishnamurti em, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)